Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil

O Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil é obrigatório para qualquer veículo com motor. Sem ele poderá enfrentar um grande prejuízo financeiro se causar um acidente grave e se for processado.

Por outro lado, se não possuir o Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil aquando de uma fiscalização policial, pode incorrer em várias sanções, nomeadamente a inibição de condução, aplicação de multas ou penas de prisão nos casos em que resultem vitimas.

Na escolha de um seguro automóvel de responsabilidade civil, deverá ter em atenção as coberturas, pois algumas são facultativas e outras não são necessárias.

Por último deverá comparar as várias cotações que existem no mercado, tendo em conta as coberturas que necessita.

Iremos analisar o Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil neste artigo.

Seguro automóvel obrigatório de responsabilidade civil

Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil

Este seguro, conforme o título indica, é obrigatório e deve acompanhar o condutor, juntamente com os outros documentos obrigatórios legalmente exigidos para a utilização das vias públicas. É também conhecido como “seguro contra terceiros”.

Riscos cobertos pelo Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil

O seguro automóvel de responsabilidade civil possui uma apólice padrão para todas as companhias, determinada por lei. Assim, neste tipo de seguros deverá ter em atenção fatores mais importantes como o valor do prémio e a qualidade de prestação de serviços.

Os riscos cobertos são englobados nas categorias de danos corporais e materiais infligidos a terceiros.

Podemos referir por exemplo:

  • Danos corporais em ciclistas ou peões;
  • Danos materiais noutro veículo;
  • Danos corporais em ocupantes do próprio veículo, excetuando o condutor;
  • Danos matérias em estruturas e edifícios.

Capital mínimo legal

Seguro Automóvel de Responsabilidade CivilO capital mínimo legal para o Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil (valores para 2014) é de um milhão de euros (€1.000.000,00) para danos materiais e cinco milhões de euros (€5.000.000,00) para danos corporais. Estes valores resultam da terceira atualização da 5ª diretiva do Seguro Automóvel (Decreto-Lei 291/2007).

Se em resultado do acidente, os valores a indemnizar forem superiores aos montantes acima referidos, o condutor que esteve na origem do mesmo deverá suportar a diferença de valores.

No caso de achar que estes montantes são insuficientes para cobrir todas as eventualidades ou se pretender cobrir todos os riscos, poderá optar por capitais superiores, até ao valor limite de cinquenta milhões de euros (€50.000.000,00)

Âmbito territorial

Para além de Portugal, o seguro automóvel de responsabilidade civil é valido em vários outros países.

No entanto deverá antes de sair do pais, confirmar que o seu seguro tem validade para as datas em que a viagem se vai realizar e para os países aonde vai conduzir.

Deverá também ter em atenção que tanto as exclusões como os limites que vigoram em caso de acidente são iguais às normas do seguro obrigatório do país onde se encontra.

Assim podem verificar-se as seguintes situações:

Se a ocorrência não estiver prevista pelo seguro obrigatório do pais em causa, a seguradora não assume qualquer responsabilidade por indemnizações;

Se houver cobertura para a ocorrência em questão, serão aplicados os valores mais elevados praticados nos pais de origem ou no país onde se verificou o acidente.

Situações não abrangidas

Seguro Automóvel de Responsabilidade CivilSão várias as situações não abrangidas pelo seguro automóvel obrigatório de responsabilidade civil:

  • Danos no veículo que originou o acidente;
  • Lesões do condutor responsável pelo acidente;
  • Danos materiais do tomador do seguro e do condutor;
  • Danos corporais de conjugues, pessoas a cargo e familiares até ao terceiro grau parental;
  • Danos provocados pelo desrespeito das normas de segurança rodoviária;
  • Danos materiais originados pelo transporte irregular de pessoas (fora dos assentos, numero superior ao legalmente estabelecido, etc.);
  • Danos provocados a terceiros em situações de carga e descarga;
  • Danos verificados durante provas desportivas.

Valores a pagar pelo Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil

São vários os fatores que influenciam o valor dos prémios a pagar pelo seguro automóvel de responsabilidade civil:

  • Tipo de veículo (ligeiro de mercadorias, ligeiro de passageiros, etc.);
  • Classe de cilindrada;
  • Capital seguro;
  • Relação peso e potência do veículo;
  • Tarifa da seguradora;
  • Histórico de sinistralidade do segurado.

São também fatores considerados pelas seguradoras á área de residência, o sexo e a idade do segurado.

Embora não exista um critério objetivo relativamente aos descontos e agravamentos em relação á área de residência, as duas maiores cidades do pais (Lisboa e Porto) são zonas que as seguradoras classificam como áreas de maior risco, encarecendo o valo do prémio a pagar pelo Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil.

Algumas seguradoras consideram que as mulheres causam estragos menores em relação aos homens, levando a uma descriminação positiva no valor dos prémios a pagar. No entanto, devido às normas europeias, esta situação deixará de contar como fator de formação de preço do Seguro Automóvel de Responsabilidade Civil.

No caso de o segurado tiver uma idade inferior a 25 anos ou carta de condução há menos de 2 anos, os valores dos prémios são agravados, podendo mesmo acontecer que existam seguradoras que se recusem a celebrar um seguro nestas condições.

O direito de regresso da seguradora

Seguro Automóvel de Responsabilidade CivilEstá previsto que as seguradoras têm o direito de regresso nos contratos de seguro automóvel de responsabilidade civil obrigatório. Este direito significa que a seguradora tem o direito de receber do segurado (em determinadas situações), os valores da indemnização pagos pelos prejuízos e danos ocorridos no acidente.

Este direito de regresso só é aplicável nas seguintes situações:

a) No caso de o responsável pelo acidente o tenha provocado dolosamente;

b) No caso de roubo ou furto, contra os autores e cúmplices;

c) No caso de o condutor que tenha causado o acidente, tenha uma taxa de alcoolemia acima do estipulado por lei, ou tenha acusado o consumo de estupefacientes ou outros produtos tóxicos;

d) No caso de o condutor não esteja legalmente habilitado a conduzir, ou que tenha abandonado as vitimas do acidente;

e) Contra quaisquer pessoas ou entidades, que exerçam as atividades de montagem, fabrico ou transformação, assim como de venda ou compra, de reparação ou inspeção do funcionamento do veículo. Estes, em caso de acidente, deverão ter seguro a sua responsabilidade civil, quando usam os veículos na sua atividade profissional;

f) No caso de queda de cargas ou mercadorias, devido a um mau acondicionamento, contra o responsável civil pelos danos causados a terceiros;

g) No caso de veículos que não cumprem as obrigações técnicas estipuladas por lei. Neste caso as seguradoras exercem o direito de regresso contar o responsável civil pelos danos causados a terceiros, na medida em que o estado e segurança do veículo tenham influenciado o acidente;

h) Ainda dentro do âmbito da alínea anterior, o responsável pela inspeção periódica do veículo, nos casos em que este não cumpriu a obrigação da renovação periódica da inspeção. O direito de regresso será exercido na medida em que o mau funcionamento do veículo tenha influenciado o acidente.

As seguradoras devem informar os seu clientes aquando da celebração dos contratos de seguro de responsabilidade civil, deste direito.

Diga-nos o que pensa sobre o seguro automóvel de responsabilidade civil, deixando um comentário a este artigo.

Seguros de vida, proteção para si e para os seus

A rede de proteção dos seguros de vida.

Você trabalha arduamente para promover uma boa vida para a sua família e fará qualquer coisa para os proteger.

Mas o que acontecerá a sua família financeiramente se morrer amanhã?

Se a resposta o perturba, então necessita de pensar em seguros de vida seguro de vida. Os seguros de vida providenciam uma segurança amanhã para os que dependem de si hoje.

Mas onde começar? Vamos abordar os vários tipos de coberturas dos seguros de vida.

Os riscos que são cobertos

Seguros de Vida

Se falecer ou ficar inválido em consequência de um acidente ou doença, estes seguros de vida garantem uma indemnização. Assim o nível de vida da sua família não vai ser influenciado devido a estes fatores, no caso de o capital dos seguros de vida for suficiente.

No caso dos rendimentos de uma família depender de uma só pessoa, os seguros de invalidez ou de vida são mais importantes, pois as pensões da segurança social por viuvez, orfandade e invalidez podem não ser suficientes para as necessidades. No caso de possuir um património considerável que garanta a sobrevivência da sua família, não terá necessidade destes seguros de vida.

A cobertura por invalidez não pode ser contratada isoladamente, pois é um complemento da cobertura por morte.

Apesar de não ter encargos familiares e só pretenda cobrir o risco de invalidez, será obrigado a contratar também o risco de morte. No entanto, esta situação não acrescente um valor muito grande no prémio a pagar nos seguros de vida.

Situações não abrangidas

Seguros de Vida

Todas as apólices dos seguros de vida têm algumas exclusões. Nos seguintes casos a seguradora não paga qualquer valor:

- Suicídio;

- Mortes resultantes do consumo de álcool ou estupefacientes;

- Situações decorrentes de desordens públicas ou de guerra;

- Acidentes aéreos em carreiras não comerciais;

- Acidentes em veículos motorizados, no âmbito de competições desportivas;

- Prática de atos criminosos por parte da pessoa segurada;

- Verificação de atos intencionais por parte da pessoa segurada ou dos beneficiários;

- Acidentes resultantes de radiação nuclear.

Modalidades

Seguros de VidaExistem modalidades dos seguros de vida menos interessantes que outras. Os seguros de vida temporários com capital constante é comercializado, sobretudo por seguradoras, enquanto as restantes são comercializados por bancos. Geralmente, nos bancos uma taxa fixa é aplicada ao montante do empréstimo, não tendo em conta a idade da pessoa segurada. As seguradoras aplicam uma taxa em função da idade da pessoa. Em função destes critérios, é mais vantajoso contratar seguros de vida anuais e renováveis ao balcão de uma seguradora até a idade de 40 anos. Os seguros de vida dos bancos são mais vantajosos a partir dos 40 anos.

Seguros de vida temporário com capital constante

Durante um período de tempo, por exemplo, 15 anos, cobre o risco de morte ou invalidez. Neste período, existem situações em que a seguradora pode rescindir o contrato:

- Falta de pagamento do prémio

- Prestação de informações incompletas, inexatas ou omissas;

Estas situações podem alterar a apreciação do risco por parte da seguradora. Os prémios e os capitais seguros podem variar ou manterem-se iguais, independentemente do risco e do ano em que ocorram. Podem também aumentar todos os anos em função de um valor previamente estabelecido.

Seguros de vida temporários anual e renováveis

Os prémios aumentam todos os anos nesta modalidade, em função do risco de morte e da idade do segurado. Normalmente associado a um crédito hipotecário, o seguro de vida pode ser atualizado anualmente, no seu capital seguro, de acordo com o montante me divida, pode ser mantido constante. Neste ultimo caso, o banco recebe o montante me dívida e os herdeiros recebem o restante.

Até um determinado limite de idade, o seguro de vida é automaticamente renovado por iguais períodos, normalmente um ano. Sendo mais baratos que os seguros de vida temporários com capital constante, podem apresentar algumas desvantagens:

- O prémio aumenta consideravelmente após determinada idade;

- As condições da apólice podem ser mudadas todos os anos pela seguradora;

- O contrato pode não ser renovado pela seguradora na data do seu vencimento, ao contrário dos seguros de vida com capital constante, onde a duração do mesmo é obrigada a ser respeitada.

Seguros de vida para crédito hipotecário

Nos empréstimos todos os bancos exigem um seguro de vida como garantia. Pode optar nestes casos por um seguro de vida temporário anual e renovável ou pelos seguros de vida comercializados pelos bancos. Estes têm a característica de serem seguros de vida de grupo, com capital decrescente, que acompanham o valor em dívida. Os bancos podem propor a apólice de uma companhia que pertence ao mesmo grupo do banco ou de outra companhia, com a qual possuem protocolos. Nestes casos o cliente pode sempre optar pela situação que mais lhe convier. No caso de os bancos imporem as suas apólices terá duas hipóteses:

- Mudar de banco;

- Aceitar a apólice proposta e ao final de um ano, anula-la e sobrescrever uma mais vantajosa.

O banco é sempre o beneficiário nestes seguros de vida. Para tal é exigido ao cliente a subscrição de uma cláusula irrevogável, na qual fica expressa que nenhumas das cláusulas do contrato podem ser revogadas ou alteradas sem o seu consentimento prévio.

Se for um casal a solicitar o empréstimo, também o seguro de vida pode ser para as duas pessoas. Seguro de vida a duas cabeças é a denominação que se usa. Neste caso apesar de serem duas as pessoas seguras, existe um único seguro de vida pelo montante total do empréstimo. O banco nestes casos paga uma indemnização equivalente ao montante em dívida, no caso de uma das pessoas seguras falecer ou ficar inválida. Em resumo, a outra pessoa fica com o empréstimo pago.

Outra modalidade é a repartição da percentagem do seguro de vida. Neste caso cada um faz um seguro de vida individual, com uma parte do capital em dívida, com base no valor da sua contribuição para o rendimento global do casal. No caso de uma das pessoas seguras morrer ou ficar inválida, o seguro de vida só cobrirá uma parte do capital afeta a pessoa em questão. A outra pessoa ficará com o encargo de pagar ao banco a sua parte.

Qual o capital necessário?

No caso de falecer ou ficar inválido, quais seriam as necessidades da sua família ou dependentes? Os seus problemas económicos ficariam resolvidos com o seu património? A partir da duração do contrato, da evolução do mercado, e do cálculo das necessidades atuais, podemos elaborar um cálculo que o irá ajudar a determinar o valor do capital pelo qual deverá contratar o seguro de vida. Este cálculo deverá ser revisto periodicamente de forma que as suas necessidades sejam cobertas pelo seguro de vida.

Cálculo das necessidades atuais do seguro de vida

Dois tipos de despesas e dois tipos de receitas deverão ser tidos em conta neste cálculo (montantes anuais):

• Despesas cessantes: são as despesas que deixarão de ocorrer com o falecimento da pessoa segura.

-Alimentação, vestuário e deslocações;

- Pensões alimentares e rendas devidas a ex-conjugues ou filhos de casamentos anteriores;

- Contratos que exijam entregas regulares e periódicas de dinheiro (outros seguros de vida ou PPR);

- Cumprimento de dívidas, desde que cobertas por seguros (crédito a habitação, por exemplo). Neste caso, os herdeiros não herdam as dividas;

• Receitas suplementares – aqui englobam-se todas as receitas que agregado familiar irá dispor por morte da pessoa segura:

- Pensões de sobrevivência da segurança social;

- Nos seguros de vida existentes, as indemnizações a receber (neste caso apenas são consideradas os seguros de vida que contemplam o pagamento do capital seguro sob a forma de renda. Como não se irão repetir nos anos seguintes, as indemnizações pagas de uma só vez não entram no cálculo das receitas anuais).

• Receitas cessantes – englobam todas as receitas que deixarão de existir com a morte do segurado.

- Remunerações provenientes da sua atividade profissional (ordenados, por exemplo). Aqui apenas se deverão ter vem conta os montantes líquidos;

- Pensões alimentares e rendas;

- Com a morte da pessoa segura, as rendas de aplicações financeiras terminam, ou das aplicações que os herdeiros terão de usar a curto prazo;

- Se tiver de interromper a sua atividade profissional, as receitas cessantes do conjugue. Esta situação aplica-se apenas nos casos em que o conjugue possua rendimentos reduzidos. Neste caso pode abdicar a favor da pensão paga pela segurança social, ou passar a dedicar-se em exclusividade a educação dos filhos.

• Despesas suplementares – por falecimento da pessoa segura, todas as despesas que ao agregado familiar passa a ter:

- Guarda das crianças;

- Limpeza da habitação, reparação de aparelhos domésticos, no caso de estarem a cargo da pessoa segura.

A seguinte fórmula permite calcular o montante anual para manter um nível de vida do agregado familiar.

(despesas cessantes + receitas suplementares) – (receitas cessantes + despesas suplementares)

O resultado determinará a necessidade de contratar um seguro de vida: se for positivo, não terá necessidade. Caso contrário, deverá ter em atenção que o capital a segurar deverá cobrir esse valor.

Para contratar uma apólice

A seguradora avalia sempre o risco de morte da pessoa segurada. Para isso é necessário preencher um questionário médico. A seguradora pode também exigir a realização de exames médicos, no caso de as informações contidas no questionário se revelarem insuficientes ou os montantes do seguro de vida sejam muito elevados.

Os limites de capital e idade a partir dos quais  os exames são necessários, variam de seguradora para seguradora. Como regra, as pessoas com mais de 40 anos não podem subscrever um capital superior a 30 mil euros sem realizar exames médicos. E os limites tornam-se mais apertados a medida que a idade via avançando.

As coberturas e limites de idade também têm fronteiras estabelecidas pelas seguradoras. Muitas vezes extinguem coberturas a partir dos 70 anos da pessoa segura ou mesmo não aceitam o seguro de vida a pessoas com mais de 60 anos.

Existem outras coberturas oferecidas pelas seguradoras, juntamente com as garantias de morte ou invalidez:

- Atribuição do dobro do capital seguro de vida, no caso de invalidez ou morte por acidente;

- Atribuição do triplo do capital, no caso de se tratar de invalidez ou morte por acidente de viação;

Nestes casos o prémio suplementar pode ser elevado.  Por outro lado, é suposto que todas as necessidades estejam cobertas com o capital seguro, no caso de morte.

A expressão genérica “o conjugue e os filhos” deve ser evitada na identificação dos beneficiários. Identifique-os pelo nome. E isto evita terem de apresentar uma habilitação de herdeiros. Acrescente também futuros filhos que possam nascer após a subscrição do seguro de vida. Não deverá existir qualquer cláusula que impeça a alteração dos beneficiários.

Nas amortizações de empréstimos, os bancos exigem serem designados como beneficiários, com a referida atrás cláusula irrevogável, o que impede alterações ao contrato sem o seu consentimento.

As indemnizações podem ser recebidas de duas formas: de uma só vez ou sob a forma de renda. A primeira opção é a melhor. Assim os herdeiros podem aplicar o capital da forma que lhes garanta melhores rentabilidades. Na outra opção, podem ser penalizados por situações fiscais e por encargos com a seguradora.

Durante a vigência dos contratos dos seguros de vida que cuidado deverá ter?

No caso de pagar o prémio do seguro de vida por transferência bancária, e se mudar de banco, deverá avisar o mais breve possível a seguradora e atualizar os seus dados.

O lugar onde guarda a apólice deverá ser do conhecimento dos seus beneficiários. Embora na prática não se aplique, existe um prazo de 8 dias para comunicar a companhia a morte ou a invalidez do segurado. A apólice, os  seus dados pessoais e a certidão de óbito ou relatório médico comprovando o estado de invalidez da pessoa segurada terão que ser apresentadas ao balcão das seguradoras ou dos bancos.

No caso de mudança de atividade profissional ou de residência, a companhia deverá ser informada.

Como pode o seguro de vida ser anulado?

Pela companhia

Por falsas declarações prestadas na proposta ou no questionário médico, a companhia pode anular o seguro de vida. Os beneficiários não terão direito a receber a indemnização no caso de se provar que os dados são falsos  e que o segurado tinha pleno conhecimento desses factos. E perdem direito aos prémios entretanto pagos. No caso de não ser provada má-fé nesta situação, a seguradora reduz o capital aos prémios entretanto pagos.

No caso de existirem condições suscetíveis de alterar as condições de risco iniciais do contrato e as mesmas não forem comunicadas ao segurador por escrito, esta pode anular o seguro de vida. Incluem-se neste caso, entre outras as seguintes:

- Alterações a atividade profissional;

- Local de residência

- Utilização de um veículo de duas rodas;

- Início da prática de um desporto perigoso;

- Outros fatores relevantes.

Após a comunicação, a seguradora tem 15 dias para lhe comunicar as alterações ao contrato que achar necessárias. Pode sempre mudar de seguradora se estas não lhe interessarem.

Pelo cliente

O término do contrato por parte do segurado pode ser feito por comunicação por escrito a seguradora, com uma antecedência mínima de 30 dias, em relação a data prevista para o cancelamento, por carta registada com aviso de receção.

Se não pagar o prémio até 30 dias depois da data devida de pagamento, receberá uma comunicação da seguradora a informa-lo que tem 8 dias úteis para o fazer. No caso de o segurado não pagar, o contrato fica cancelado.

Uma cláusula de direito de renúncia existe em todos os contratos de seguros de vida. Pode desistir do seguro de vida e receber os prémios pagos até a data, se as condições contratuais não são do seu agrado. Poderá fazê-lo até 30 dias após receber a apólice. Também neste caso, a forma de comunicação deverá ser uma carta registada com aviso de receção. O prémio cobrado deverá ser devolvido pela seguradora, descontando o valor referente ao período entre a celebração da apólice e a receção da carta de renúncia. Pode também reter eventuais custos com exames clínicos realizados.

Preço De Seguro De Vida

Seguros de VidaAs diferenças de preços entre seguradoras são enormes. Estas dependem das modalidades e coberturas escolhidas e da idade do segurado. O prémio anual é calculado multiplicando o valor do capital seguro pela tarifa correspondente a idade da pessoa segura. A título de exemplo e usando valores fictícios, para um individuo de 35 anos, para um seguro de vida temporário anual e renovável, para cobrir o risco de morte, poderá pagar anualmente cerca de 150 euros

Os pagamentos dos prémios dos seguros de vida deverão ser pagos antes dos períodos a que dizem respeito. No entanto, na prática, a maior parte das seguradoras permite o pagamento de 6 em 6 meses, de 3 em 3 meses, ou durante todos os meses cobrando os respetivos encargos das mensalidades.

Para ter uma ideia dos valores a pagar, consulte o simulador da Deco para Seguros de Vida.

LOGO SEGUROS: SIMPLICIDADE E RAPIDEZ.

A LOGO SEGUROS pretende transformar a experiência dos clientes com os seguros mais simples, mais fáceis.

Será realmente verdade? Vamos analisar os dados da seguradora e ver o que ela tem realmente para oferecer. Em futuros artigos serão analisados os seus produtos e serviços individualmente.

O plano de negócio da LOGO SEGUROS apoia-se na disponibilização de um serviço com as seguintes características:

  • Mais rápido;
  • Mais fácil;
  • Mais simples;
  • E sobretudo a preços mais competitivos.

Para isso conta com a informação personalizada de cada cliente, com a redução de todos os procedimentos, abolindo com burocracias e documentos supérfluos. O uso de processos e instrumentos tecnológicos de recente desenvolvimento, permitem esta interação mais fácil com o cliente.

Logo SegurosA LOGO SEGUROS, SA, seguradora Não Vida iniciou a sua atividade no âmbito do ramo automóvel, e pretendia captar cerca de 100 mil clientes nos três primeiros anos.

O mercado Segurador Direto Auto é a parte que mais se desenvolve, admitindo a LOGO SEGUROS que a sua entrada foi fundamental para animar ainda mais o desenvolvimento deste mercado.

De acordo com a direção da seguradora, “o conceito inovador com que a LOGO SEGUROS se apresentará no mercado vai marcar fortemente as inequívocas vantagens do canal direto, pelo que será um contributo indiscutível para o crescimento deste segmento”.

A LOGO SEGUROS está presente no mercado com uma oferta de quatro produtos:

  • Auto (mais um para motos);
  • Casa;
  • Saúde.

A população urbana é o alvo destes produtos. Especificamente destinam-se a um grupo de clientes com as seguintes características:

  • Que privilegia a facilidade e rapidez do serviço;
  • Especialmente à faixa etária dos 25-45 anos;
  • Aproveita maioritariamente os canais diretos como a Internet e o telefone para as mais diversas atividades do dia-a-dia, desde a colocação, aquisição, e pagamento dos mais variados serviços e bens.

Logo SegurosNa LOGO SEGUROS, a empresa afirma que o cliente está livre de formalidades, porque os processos são simplificados. A simplicidade e a rapidez da LOGO SEGUROS distingue-a de todos os seus concorrentes. A simulação do seguro automóvel LOGO SEGUROS leva apenas 50 segundos e uma nova apólice de seguro pode ser feito em apenas 3 minutos e 53 segundos, segundo os dados da empresa.

Por outro lado, graças a sistemas avançados que permitem à LOGO SEGUROS a qualquer momento o acesso a todas as informações do cliente, é possível fornecer, através de sua central de atendimento, o melhor serviço aos clientes e responder rápida e eficazmente.

A MARCA

Para dar vida ao seu posicionamento de simplicidade, facilidade e rapidez, enquanto identidade da marca, foram desenvolvidos o nome, logotipo, cor, comunicação, etc, de maneira a combinar e incorporar esses conceitos.

Para comunicar justamente esta ideia de imediato, na hora, rápido e de confiança nas suas capacidades, foi criada a marca LOGO SEGUROS.

O design do logótipo é simples e adiciona impulso, o símbolo representa um cronometro que mostra a disponibilidade e eficiência.

A cor – verde neon – muito positiva “refere-se ao equilíbrio e transparência, é a cor da solução, não do problema.” Vá em frente, “cor” sim “.

A própria ideia criativa para a campanha de lançamento da LOGO SEGUROS é inspirada pelas origens gregas do nome LOGO SEGUROS – LOGO em grego significa Razão – tendo sido criada uma Lógica própria da LOGO SEGUROS.

A palavra LOGO tem origens gregas e significa razão. Esta foi a inspiração para a campanha de lançamento da marca LOGO SEGUROS.

A OFERTA

A LOGO SEGUROS, numa fase inicial, atuou no ramo automóvel, disponibilizando os seguintes produtos:

  • LOGO SEGUROS Moto: para motociclos (seguro obrigatório);
  • LOGO SEGUROS Lease: para contratos de leasing, com menos obrigações do mercado, sem coberturas adicionais, LOGO SEGUROS com menos encargos (seguro obrigatório);
  • LOGO SEGUROS Light: o seguro com menos obrigações do mercado, sem coberturas adicionais,
  • LOGO SEGUROS com menos encargos (seguro obrigatório).
  • LOGO SEGUROS Topping: o seguro que salvaguarda também o condutor e os outros ocupantes (seguro obrigatório).
  • LOGO SEGUROS Max: o seguro integral que protege a viatura e os outros ocupantes.

Logo SegurosPara simplificar fortemente o processo de escolha, a LOGO SEGUROS vai ao encontro das necessidades dos grupos alvo identificados optando por ter produtos predefinidos, o que em certas situações pode não ser o ideal.

SOBRE A EMPRESA

A LOGO SEGUROS caracterizando-se por ser uma seguradora direta, começou a operar em Janeiro de 2008 para fornecer serviços e produtos de seguros não-vida unicamente através da Internet e por telefone.

Alguns dados:

  • Capital Social de 20.000.000 EUR;
  • É uma empresa do Grupo Espírito Santo, sendo detida a 100% pela Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A.
  • Exerce a atividade seguradora em Portugal;
  • Pessoa Coletiva (NIPC) 508 278 600;
  • Matriculada sob o mesmo número na Conservatória do Registo Comercial do Porto;
  • Sede social na R. D. Manuel II, 290, Porto;
  • Supervisão do Instituto de Seguros de Portugal, com a autorização nº 1175 de Novembro de 2007;

MISSÃO

Logo SegurosA missão da LOGO SEGUROS é fornecer de uma maneira simples, rápida e eficaz para os clientes, os produtos que atendam às suas necessidades com o melhor preço possível.

Para tornar isso possível, regula a sua atividade tendo em conta com os valores seguintes:

  • Eficiência, com a redução de despesas inúteis, aproveitando-se da simplicidade, a fim de oferecer comparativamente o preço mais conveniente ao cliente;
  • Eficiência, com foco em ações para atingir objetivos, tornando os processos mais rápidos;
  • Inovação, considerando o uso de novas técnicas para prestar um bom serviço ao cliente (novas soluções, métodos ou novas formas de interagir);
  • Simplicidade, tornando a aquisição do seguro mais acessível, ao suprimir todas as burocracias e papéis supérfluos;
  • Transparência, articulando uma linguagem que todos entendam, sendo claro no que é dito.

Portanto, em cada ligação com a LOGO SEGUROS, o cliente tem garantidamente uma boa experiência assegura a empresa.

POLITICA DE QUALIDADE

REGULAMENTO DE CONDUTA

Sendo patente o ambiente relacionado com os seguros em que se inclui, setor no qual expande a sua ação e a relação recíproca que ocorre com os Clientes, Parceiros e Fornecedores, Comunicação Social, e entre Colaboradores, a LOGO SEGUROS estabeleceu internamente, considerando a sua missão e valores, o Código de Conduta dos Colaboradores da Seguros LOGO, S.A.; difundido internamente a todos quantos com a LOGO SEGUROS cooperam e que aqui se poderá ser consultado.

Download do Código de Conduta

ADMINISTRAÇÃO DE RECLAMAÇÕES

Considera-se reclamação:

  • De descontentamento em relação aos serviços prestados por esta;
  • Qualquer razão de eventual ato ou efeito de incumprimento;
  • Qualquer ato de demonstração de falta de acordo com posições assumidas por Empresas de Seguros.

Os atos de reclamação podem ser expostos pelos:

  • Beneficiários;
  • Segurados;
  • Terceiros lesados;
  • Tomadores de seguro.

Não se consideram reclamações:

  • As comunicações que façam parte do decurso dos atos de negociação relativas a contratos;
  • As informações que fazem parte do conjunto dos documentos relativos aos atos de regularização de sinistros;
  • Possíveis atos de solicitação de informação, esclarecimento, comentários ou elucidações.

As reivindicações deverão ser dirigidas às seguintes entidades.

  • Aos Seguros LOGO, S.A.;
  • Ao Provedor da LOGO SEGUROS.

No documento infra pode encontrar todos os esclarecimentos relativos à exposição da reclamação, designadamente:

  • Entidade quem a reclamação é remetida ou endereçada, de acordo com o seu conteúdo;
  • Esclarecimentos a enviar;
  • Período de tempo de solução ou refutação.

Download da Política de Gestão de Reclamações   Registe aqui a sua reclamação

POLÍTICA DE TRATAMENTO

A LOGO SEGUROS acompanhando as decisões e resoluções legais, assim como um dos seus principais valores – a transparência – tornaram acessível aos seus Clientes, a declaração escrita onde tem a possibilidade de examinar com atenção os regulamentos e as regras que se estão em prática, no que diz respeito à Política de Tratamento, abrangendo a Gestão de Reclamações e as condições de que se pode dispor para tal.

Este documento deseja dar conhecimento das condutas e comportamentos por meio dos quais as pessoas que colaboram com a LOGO SEGUROS estabelecem relações com os seus Clientes (condutores habituais e tomadores de seguros) e terceiros lesados.

Em harmonia com a missão da empresa, pretende proporcionar

  • Uma Boa Experiência de Seguro;
  • Eficácia.
  • Eficiência;
  • Simplicidade;
  • Transparência;

Cada uma das divisões deste conjunto de regras, traduzem os valores e a visão da LOGO SEGUROS, exprimindo o modo de proceder que se espera de todas as pessoas que colaboram com a LOGO SEGUROS, abrangendo o conjunto das pessoas que, da parte da LOGO SEGUROS proporcionam serviços no exercício das suas funções aos condutores habituais, terceiros lesados, e tomadores de seguros.

Download da Política de Tratamento ao Cliente

PROVEDOR DO CLIENTE

Esta declaração determina o Estatuto do Provedor do Cliente, ordenando, instituindo e organizando um conjunto de preceitos, regras e procedimentos que devem ser seguidos pelo Provedor.

Download do Estatuto do Provedor do Cliente

PRAZO NORMAL DOS ATOS DE RESOLUÇÃO DE SINISTROS

Neste documento torna-se publico o prazo médio que na LOGO SEGUROS se demora a tomar uma resolução sobre um sinistro.

Download do Tempo Médio de Resolução de Sinistros

Concluindo, a LOGO SEGUROS emergiu como uma das principais seguradoras em Portugal, nos anos recentes – e por boas razões: Oferecendo aos seus clientes produtos predefinidos, sistemas de reclamação online e um sistema de acompanhamento personalizado dos clientes. A LOGO SEGUROS é seguradora a ter em conta nas suas análises de seguros.